Poucas coisas no mundo proporcionam aquela maravilhosa sensação de liberdade, presença e vida que se têm em um passeio de motocicleta. E se o caminho for desafiante e as paisagens exuberantes, então entramos naquele território único de experiências que dinheiro nenhum no mundo pode pagar (ou quase isso :-/).

Sentiu a onda? Então vai esquentando os motores e confira essa reportagem do ZOROPEANDO feita especialmente para você que quer sentir o vento na cara pelas estradas do Velho Mundo. Aqui, motociclistas experientes, que rodaram milhares de quilômetros do outro lado do Atlântico, dão dicas ninjas para viver essa aventura com segurança, alegria e, por que não, economia.

A reportagem está divida em três partes, sendo que as outras duas serão publicadas nos dias subsequentes. E ao final de cada parte, há uma sugestão de trajeto para você começar o planejamento da sua viagem.

Aproveite!

As cidades europeias, por menores que sejam, sempre têm uma rica história e, mesmo que mostrando marcas da passagem do tempo ou das guerras que assolaram o continente ao longo dos séculos, têm uma beleza inigualável – Rômulo Provetti.

Precisa justificar?

Não que um passeio de moto pela Europa precise de uma justificativa especial além do próprio desejo de se jogar na estrada. Mas se você ainda tem alguma dúvida sobre isso, preste atenção nas palavras de Rômulo Provetti, administrador de empresas e autor do livro A caminho do céu, que esteve duas vezes rodando o Velho Mundo em cima de duas rodas.

Rômulo Provetti e seu companheiro de viagem ?????, de frente para a Torre Eifel, o principal cartão postal de Paris

Rômulo Provetti e seu companheiro de viagem Vanildo Siller, em frente à Torre Eiffel, o principal cartão postal de Paris. | Foto: Arquivo pessoal

“As cidades europeias, por menores que sejam, sempre têm uma rica história e, mesmo que mostrando marcas da passagem do tempo ou das guerras que assolaram o continente ao longo dos séculos, têm uma beleza inigualável”, conta ele.

Flávio Faria, servidor Público no Ministério do Planejamento e autor do blog Europa de moto, é outro motociclista que rodou bastante pelo continente europeu. Ele, ao contrário de Provetti, acabou deixando Paris e Roma de lado durante a viagem, mas… “Fizemos uma rota alternativa por vielas estreitas de uma Europa antiga e belíssima, transitando por cenários fantásticos e atravessando, pelo menos, 400 vilarejos ou pequenas cidades, algumas delas mais antigas do que a própria Era Cristã”, encanta-se.

Fala a verdade: arrepiou os cabelos do braço, não foi?

Começando do começo

OK, você está animado para sentir o vento gelado na cara, mas, antes de mais nada, qual o seu grau de experiência para mergulhar em uma viagem como essa?

Para Provetti, essa questão é relativa. Segundo ele, viajar de moto pelas estradas da Europa é muito mais fácil e seguro do que pelas estradas do Brasil, seja pela infraestrutura mais adequada, menor tráfego de veículos e até a educação dos motoristas. “De qualquer forma, dependendo da distância que pretende percorrer, creio que o viajante deva ter feito pelo menos alguns passeios nas estradas do Brasil para se acostumar com o tempo que passará sobre a moto e ter a consciência de que pilotar na estrada é muito diferente do que conduzir nas ruas de uma cidade”, adverte ele.

Ao atravessar  o Passo Timmelsjoch, minha mulher, Roseane, teve uma crise de pânico e eu tive que superar a duras penas, ao vivo, o medo de alturas que me ataca em situações como essa… Foi a maior experiência de pilotagem da minha vida – Flávio Faria

Com seus precipícios cinematográficos e curvas de 180 graus, as estradas de Passo Del Rombo, na divisa entre Itália e Áustria, são um dos maiores desafios que um motociclista pode enfrentar na vida

Passo Del Rombo, na divisa entre Itália e Áustria, é um dos maiores desafios que um motociclista pode enfrentar na vida. | Foto: Flávio Faria

Talvez Faria não concorde tanto assim com Provetti, principalmente se o motociclista tiver planos de atravessar o Passo Timmelsjoch (ou Passo del Rombo, em italiano), um caminho montanhoso localizado na divisa entre a Áustria e a Itália, com curvas acentuadíssimas e abismos cinematográficos. Para se ter uma ideia do perigo, o servidor público considera esse trajeto a maior experiência de pilotagem de sua vida. “Minha mulher, Roseane, teve uma crise de pânico e eu tive que superar a duras penas, ao vivo, o medo de alturas que me ataca em situações como essa”, revela. Confira abaixo um vídeo feito pelo piloto enquanto cruzava as montanhas.

Portanto amigo, o ZOROPEANDO adverte: esse passeio não é para qualquer um, mas desde que você tenha confiança em sua pilotagem, vá em frente. Se não tiver, treine até chegar a um nível adequado aos desafios que pretende enfrentar.

Com relação aos equipamentos de segurança, são itens obrigatórios e/ou indispensáveis: capacete e luvas, uma boa jaqueta e calça com proteções laterais, além de uma bota apropriada para andar de moto. A roupa mais adequada a vestir vai depender da época do ano em que a viagem será realizada. Se for verão, por exemplo, Provetti recomenda jaqueta com aberturas para ventilação. Em períodos mais frios, além de aquecer o piloto, toda a vestimenta deve ser impermeável. Ah… E não se esqueça de levar na bagagem uma boa capa de chuva.

Passando por Dolomitas, ao norte da Itália, Flávio Faria, ao centro,resolve posar para uma foto com sua esposa Rosane (direita) e Ivone Roller, que na garupa de seu marido, acompanhou o casal na viagem

Passando por Dolomitas, ao norte da Itália, o bem equipado Flávio Faria, ao centro,resolve posar para uma foto com sua esposa Rosane (direita) e Ivone Roller, que na garupa de seu marido, acompanhou o casal na viagem| Foto: Arquivo pessoal

Além disso, o especialista acredita que mais do que simples equipamentos de segurança, é fundamental ter um objetivo claro definido; planejar bem a viagem; ter disposição para passar várias horas sobre a moto e sentir na pele os elementos da natureza (frio, calor, chuva, poeira, etc.); ter espírito contemplativo e os olhos abertos para apreciar as paisagens das mais diversas; ter motivação para conhecer lugares e pessoas diferentes, e; ter disponibilidade de tempo e dinheiro (nesse caso, para facilitar a viagem).

“Fiz uma viagem no verão e a outra no outono. Peguei calor, frio e chuva. Estando preparado para as variações do clima, uma viagem desse tipo tem tudo para ser prazerosa e deixar boas lembranças para o resto da sua vida”, explica o motociclista.

Trajeto 1 – Península Ibérica

Que tal explorar estradas com castelos, vinícolas e montanhas? Pois é isso o que você vai encontrar pela Península Ibérica. A região fica no sudoeste da Europa e abrange os territórios de Gibraltar (Reino Unido), Portugal, Espanha, Andorra e um pouquinho da França. Mas nesse trajeto, vamos nos concentrar principalmente em Portugal e Espanha. Confira o mapa com o passo-a-passo de rodagem que preparamos para você.


Ver mapa maior

Seguindo pela rota sugerida pelo Zoropeando, você passará por Granada, na Espanha, e poderá conferir essa linda vista do castelo de Alhambra. |Foto: Jebulon/Wikimedia Commons

Seguindo pela rota sugerida pelo Zoropeando, você passará por Granada, na Espanha, e poderá conferir essa linda vista do castelo de Alhambra. |Foto: Jebulon/Wikimedia Commons

De moto pela Europa – parte 2

Like this Article? Subscribe to Our Feed!

(Visited 1.627 times, 1 visits today)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.